segunda-feira, 24 de julho de 2000


SOLANO TRINDADE

(Recife/PE, 24/07/1908 - Rio de Janeiro/RJ, 19/02/1974)


Poeta, folclorista, pintor, ator, teatrólogo e cineasta. Legítimo poeta da resistência negra por excelência. Em 1930, inicia sua produção de poemas afro-brasileiros. Em 1936, fundou a “Frente Negra Pernambucana e o Centro de Cultura Afro-brasileiro”, instituições para a divulgação dos intelectuais e artistas negros. Em 1941 fixa residência no Rio de Janeiro e funda o “Comitê Democrático Afro-brasileiro”. Em 1954 transfere-se para São Paulo, onde fundou na Cidade de Embú, um “Polo de Cultura e Tradições Afro-Americanas”. Fundou em São Paulo o Teatro Popular Brasileiro (TPB), onde desenvolveu intensa atividade cultural voltada para o folclore e a denúncia do racismo. Trabalhou no filme: “A Hora e a Vez de Augusto Matraga” de Roberto Santos.
Principais Obras: Poemas de uma vida simples (1944); Seus tempos de poesia (1958); Cantares ao meu povo (1961).


Sou negro

Sou negro
meus avós foram queimados
pelo sol da África
minh`alma recebeu o batismo dos tambores
atabaques, gongôs e agogôs 
Contaram-me que meus avós
vieram de Loanda
como mercadoria de baixo preço
plantaram cana pro senhor de engenho novo
e fundaram o primeiro Maracatu

Depois meu avô brigou como um danado
nas terras de Zumbi
Era valente como quê
Na capoeira ou na faca
escreveu não leu
o pau comeu
Não foi um pai João
humilde e manso 

Mesmo vovó
não foi de brincadeira
Na guerra dos Malês
ela se destacou

Na minh`alma ficou
o samba
o batuque
o bamboleio
e o desejo de libertação



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima