OS 10 POETAS ESSENCIAIS DA LITERATURA PERNAMBUCANA

 

Publicado por DCP em 24/01/2021







(Alberto da Cunha Melo, Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto, Carlos Pena Filho, Jaci Bezerra, Celina de Holanda, Lucila Nogueira, César Leal, Joaquim Cardozo, Mauro Mota, Têreza Tenório, Maria de Lourdes Hortas, Marcus Accioly, Cida Pedrosa, Janice Japiassu e Miró)

 







Pedimos aos colaboradores, poetas, escritores, professores e especialistas que listassem "Os 10 poetas essenciais pernambucanos, vivos ou falecidos, nascidos ou radicados. Alguns poetas obtiveram o mesmo número de citações, passando para 16 o total. Participaram da enquete: Antonio Carlos Secchin (RJ), Adriano Marcena (PE), Cida Pedrosa (PE), Diego Mendes Sousa (PI), Frederico Spencer (PE), Jorge Lopes (PE), José Rodrigues de Paiva (PE), José Terra (PE), José Luiz Melo (PE), Lourdes Nicácio (PE), Marcus Prado (PE), Maria de Lourdes Hortas (PE), Neilton Lima (PE), Urariano Mota (PE), Vernaide Wanderley (PE), Virgínia Leal (PE), Raimundo de Moraes (PE), Wellington Melo (PE) e Zuleide Duarte (RN).

 

Os poetas mais citados pela ordem foram: 


1) Alberto da Cunha Melo (17)*; 

2) Manuel Bandeira (15); 

3) João Cabral de Melo Neto (14); 

4) Carlos Pena Filho (11); 

5) Jaci Bezerra (10); 

6) Celina de Holanda e Lucila Nogueira (9); 

7) César Leal  (8); 

8) Joaquim Cardozo, Mauro Mota e Têreza Tenório (7); 

9) Maria de Lourdes Hortas e Marcus Accioly (6); 

10) Cida Pedrosa, Janice Japiassu e Miró (5).

 

Certamente que quase todas as listas são sempre incompletas, complexas e idiossincráticas. Sabe-se que, como a percepção, a opinião — que é a base de todas as listas —, é algo individual. O resultado não pretende ser definitivo ou abrangente, corresponde apenas à opinião dos participantes.

 

Na próxima postagem continuaremos com a seleção de poemas dos poetas mais citados na enquete. Boa leitura e até lá!

 

 

 

Natanael Lima Jr.

Editor-fundador do site

 

 

 

______________________________________________________________

*Total de vezes que o poeta foi citado na enquete.






POEMAS DE ALBERTO DA CUNHA MELO, MANUEL BANDEIRA, JOÃO CABRAL DE MELO NETO, CARLOS PENA FILHO E JACI BEZERRA




 

 

 

Canto dos emigrantes

Alberto da Cunha Melo - (1942 – 2007)

 

Com seus pássaros

ou a lembrança de seus pássaros,

com seus filhos

ou a lembrança de seus filhos,

com seu povo

ou a lembrança de seu povo,

todos emigram.

 

De urna quadra a outra

do tempo,

de uma praia a outra

do Atlântico,

de uma serra a outra

das cordilheiras,

todos emigram.

 

Para o corpo de Berenice

ou o coração de Wall Street,

para o último templo

ou a primeira dose de tóxico,

para dentro de si

ou para todos, para sempre

todos emigram.

 

 

Consoada

Manuel Bandeira – (1886 – 1968)

 

Quando a indesejada das gentes chegar

(Não sei se dura ou caroável),

talvez eu tenha medo.

Talvez sorria, ou diga:

— Alô, iniludível!

O meu dia foi bom, pode a noite descer.

(A noite com os seus sortilégios.)

Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,

A mesa posta,

Com cada coisa em seu lugar.

 

 

Tecendo a manhã

João Cabral de Melo Neto – (1920 – 1999)

 

Um galo sozinho não tece uma manhã:

ele precisará sempre de outros galos.

De um que apanhe esse grito que ele

e o lance a outro; de um outro galo

que apanhe o grito de um galo antes

e o lance a outro; e de outros galos

que com muitos outros galos se cruzem

os fios de sol de seus gritos de galo,

para que a manhã, desde uma teia tênue,

se vá tecendo, entre todos os galos.

 

E se encorpando em tela, entre todos,

se erguendo tenda, onde entrem todos,

se entretendendo para todos, no toldo

(a manhã) que plana livre de armação.

A manhã, toldo de um tecido tão aéreo

que, tecido, se eleva por si: luz balão.

 

 

Soneto do desmantelo azul

Carlos Pena Filho – (1929 – 1960)

 

Então, pintei de azul os meus sapatos

por não poder de azul pintar as ruas,

depois, vesti meus gestos insensatos

e colori as minhas mãos e as tuas,

 

Para extinguir em nós o azul ausente

e aprisionar no azul as coisas gratas,

enfim, nós derramamos simplesmente

azul sobre os vestidos e as gravatas.

 

E afogados em nós, nem nos lembramos

que no excesso que havia em nosso espaço

pudesse haver de azul também cansaço.

 

E perdidos de azul nos contemplamos

e vimos que entre nós nascia um sul

vertiginosamente azul. Azul.

 

 

 

Um dia, Capitão, contarei essa história*

Jaci Bezerra – (1944 – 2020)

 

Um dia, Capitão, contarei essa história

a quem, distante ou perto, afagar minha mão.

E sempre nova será, nos cofres da memória,

porque uma certeza terei, e terás tu, então:

todos os portos podem ser saqueados,

só não pode ser saqueado o porto do coração.

 

Em que livro e em que língua será ela escrita?

Hoje, os que são mais céticos, de nós indagarão.

E o que responderei, se, além das coisas ditas,

uma certeza terás, e terei eu, então:

todos os portos podem ser saqueados,

só não pode ser saqueado o porto do coração.

 

Onde andarei? Onde andarás? Assim, nessa incerteza,

os que bem não nos conhecem nos interrogarão.

E o vento, só o vento, pelas praias acesas

soprará, como nós, as letras de um refrão:

todos os portos podem ser saqueados,

só não pode ser saqueado o porto do coração.

 

Um dia não serei mais o sonho que hoje sonho,

serei só um poema e uma impossível canção,

mas tudo quanto for de poesia ou sonho

continuará repetindo, meu velho Capitão:

todos os portos podem ser saqueados,

só não pode ser saqueado o porto do coração.

 

*In Poemas de Jaci Bezerra, p. 37-38 – extraído do site http://myriambrindeiro.com.br






OS 10 POETAS ESSENCIAIS DA LITERATURA PERNAMBUCANA OS 10 POETAS ESSENCIAIS DA LITERATURA PERNAMBUCANA Reviewed by Natanael Lima Jr on 00:00 Rating: 5

10 comentários

  1. Muito feliz , grata e honrada por estar incluída na poesia pernambucana.

    ResponderExcluir
  2. Ótima iniciativa! Tenho enorme curiosidade sobre o assunto e eu mesmo publiquei alguns poemas, sem a menor repercussão - daí meu interesse. Sou um poeta frustrado, que beijei a mão de Mauro Mota e chorei ao ouvir certos poetas, como Ascenso Ferreira, na avenida Guararapes.

    ResponderExcluir
  3. Excelente postagem essa sobre " 10 poetas essenciais da Literatura Pernambucana "! FORAM ESCOLHIDOS 16, PODERIAM TER SIDO ESCOLHIDOS OUTROS 20, 30 NOMES DIFERENTES...QUE NÃO FARIAM FEIO!MAS OS 16 ESCOLHIDOS MERECERAM MUITO! PARABÉNS A ELES E AO DCP POR ESTA BELA INICIATIVA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato por sua valiosa contribuição e participação. A sua sugestão foi acatada e o texto passou a se denominar de "OS 10 MAIS ESSENCIAIS POETAS PERNAMBUCANOS". Grato poeta sempre

      Excluir
  4. Parabéns 👏👏 a Literatura Pernambucana. Demonstram que existem poetas de qualidade no Brasil. Fico feliz em conhecer. Excelente organização do cenário poético. Principalmente neste momento de pandemia. Precisamos de poetas, para deixarem nossos momentos, com mais nostalgial e reflexão. Abraço a todos os organizadores. Aluna de Letras da FOCCA. Cleoneide

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma grande alegria receber esse seu comentário e visita. Volte sempre!

      Excluir
  5. Ótima iniciativa,Pernambuco, Minas, Paraíba, Rio de Janeiro e Bahia são celeiros de poesia e sempre em qualquer lista, faltarão muitos poetas essenciais. Eis os meus dez:
    Manuel Bandeira
    João Cabral de Melo Neto
    Alberto da Cunha Melo
    Ascenso Ferreira
    Solano Trindade
    Louro do Pajeú
    Job Patriota
    Cancão
    Carlos Pena Filho
    Lucila Nogueira

    Apenas para começo de conversa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como Falei no texto de abertura, toda e qualquer lista é incompleta, complexa e idiossincrática.

      Excluir

Recent in Recipes

3/Food/post-list