O ESPELHO NOTURNO DE NEILTON LIMA

 

Postado por DCP em 14/03/2021 






Escritor Neilton Lima I Foto: Reprodução








Neilton Limeira F. de Lima é Mestre em Teoria da Literatura (UFPE, 2007). Licenciado em Letras Português / Inglês (UFPE, 2003). Prof. de Língua Portuguesa e Literaturas na FOCCA (Coordenador do Curso de Graduação em Letras); Revisor Ortográfico da Revista Scientia Una; Professor Executor do EAD de Letras, Pedagogia e T.I. no Grupo SER; na UNISÃOMIGUEL (Letras); Membro da UBE (União Brasileira de Escritores); Colunista Literário no site www.domingocompoesia.com.br. Publicações e Contribuições: Antologias: Mutirão de Poesia, RS (1997), Nova Geração da Poesia Brasileira, RJ (2002); Staccato, PE (2005); Áfricas de África, PE (2005), Revista Café com Letras, PE (2006), Em Pessoa, PE (2007), Revista Scientia Una, PE (2009-2021), Falo com Flauta & Poesia, Selma Ratis PE (2012), Poesia Pernambucana Hoje. Vol. 1. Vital Corrêa de Araújo PE (2013); Um Jeito Diferente de Filosofar, Martinho Queiroz, PE (2014); Dicionário Escolar da Diversidade Cultural Pernambucana, Adriano Marcena, PE (2014). Dossiê de Gustaff, Alexandre Santos, PE (2015); Raspando o tacho, Adriano Marcena, PE (2015); Ensaio Sobre a Canção Árida, Natanael Lima Jr. PE (2019); Além da terra, além do céu. Antologia de Poesia Contemporânea, vol. IV Portugal (2019); Pétalas de Gemaguili-Poemas, Genicleide Lima PE (2020); Serviços Assistenciais e Desigualdades Locais: Pesquisas Empíricas em Serviço Social. (org.) Marcos Calado PE, (2021). Bem como poemas e estudos ainda inéditos.





SEIS POEMAS DE NEILTON LIMA

 

 

 

MADRIGAL

 

Ele nos conforta

Com suas folhas caindo

Sobre nossas peles unidas.

 

Ele nos avisa

Quando as ondas retornam

Trazendo nossos desejos.

Ele nos desperta

Para as pedras e espinhos

Existentes em nossa caminhada.

 

Ele está em você

Semente que brota

Ele está em mim

Sou dele alimento

Ele está em você

E brota de mim

Ele está em mim

Alimento para você.

 

Ele trouxe esses meses

Nas vozes da manhã

Nos olhos da tarde

Nos sonhos da noite.

 

Ele hoje celebra

Nosso nascimento

E nos pede abrigo eterno

Neste lar que é um só

Pois, agora que somos seus filhos

Recebemos esta dádiva

E agradecemos

Sua infinita presença

 

Ele é um e outro, é um só

Assim como nós.

 

(In: Nova Geração da Poesia Brasileira: Antologia Literária, Rio de Janeiro: Litteris, 2002, p. 120)

 

 

ILHA

 

Por trás de minhas lentes vejo sombras

São sobras incandescentes de mim

Desenhos guardados nas retinas

Lembranças de um tempo que nunca vivi

E em frente ao espelho o reflexo

Transforma a figura sem imagem

Por trás de minhas lentes naufragadas

Oceanos, desertos, poemas e miragens.

 

(In: Staccato: Antologia Literária. (org.) Adilson Jardim. Recife: Autores, 2005, p. 29)

 

 

RECIFE

 

A lama negra dos teus rios

Na negra alma dos teus filhos:

Pedras formas sem terem brilhos

Na liquidez dos podres cios

 

É sangue espesso exposto

Em cada curva do teu rosto.

 

A negra alma dos teus filhos

Na lama negra dos teus rios:

Veias caminhos esguios

Na sombra desses andarilhos

 

É osso extenso exposto

Em cada ponte do teu rosto.

 

(In: Staccato: Antologia Literária. (org.) Adilson Jardim. Recife: Autores, 2005, p. 34)

 

 

ESPELHO NOTURNO

 

Ele precisa de si

Da dor que o alimenta

Em cada gota de chuva

Brotando em seus olhos.

 

Ele precisa voltar

Para dentro da sombra

E novamente cair

Nas negras mãos da lua.

 

Ele precisa partir

Chegar ao fim do abismo

E sentir o vento frio

Do último beijo.

 

Ele precisa se achar

Consciente escrever

Todo o sangue que as veias

Ainda teimam em derramar.

 

Somente para se ver.

 

 

ACON(TECENDO)

 

Tardiamente não foi

pois não há tarde sem tempo

para que uma tarde aconteça.

 

E, se há, há o eterno

momento do encontrar,

que algo sublime amanheça.

 

Risos, desejos,

mil recordações na Sé de

Olinda, cúmplice, vida

Acon(tecendo).

 

E, sem pensar

nos que passam a Estrada,

Piedade: lar da Tarde

anoitecendo.

 

Saindo de mar em mar,

Naufragado

No tempo das coisas leves,

O poeta encontra um lar,

Sua Descoberta.

 

Assim, hora, hora,

no tempo das coisas frágeis,

a musa acha em si o poeta

passado-presente: fruto a vir

Na hora certa.

 

 

Jaboatão dos Guararapes, 2017

 

 

LAVRA SECA

 

Herdeiro sou

de bela fonte

Da fronte seca

que o sol me dá.

Herdeiro lar

sempre distante

E contemplante

para me olhar.


Herdeiro sou

do que me resta

Da réstia seca

a caminho do mar

Herdeiro lar

da vida funesta

Que me empesta

neste passar.

 

Herdeiro sou

de vãs palavras

Da lavra seca

que eu quis plantar

Herdeiro lar

em que me cravas

Uma cruz de raiva

no peito altar.

 

(In: Além da terra, além do céu. Antologia de poesia Brasileira Contemporânea, Vol. IV. Portugal: Chiado Books, 2019


O ESPELHO NOTURNO DE NEILTON LIMA O ESPELHO NOTURNO DE NEILTON LIMA Reviewed by Natanael Lima Jr on 00:30 Rating: 5

29 comentários

  1. Obg Natanael pela oportunidade ecpelo belíssimo espaço de divulgação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O espaço é nosso poeta. Sempre disponivel. parabens pelos poemas.

      Excluir
  2. Parabéns, Neilton! Suas poesias transbordam sensibilidade. Gratidão pelo compartilhamento!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns querido amigo!! Ler suas poesias é sempre um acalento ao coração e a mente!! Abraços

    ResponderExcluir
  4. Parabéns! um grande talento com muita sensibilidade e criatividade um maestro com muita dedicação.

    ResponderExcluir
  5. Excelentes poesias, Neilton! Parabéns pela sensibilidade, inspiração e por compartilhar o seu trabalho com quem ama poesia e a sua, destaque-se, é de alto nível!

    ResponderExcluir
  6. Obg, nobre amigo, pelas sinceras palavras!Responsa!

    ResponderExcluir
  7. Grande Neilton, é sempre uma alegria, cheia de alegorias, nuances e imagens, ler suas "Crias"! Um forte abraço, Véi!
    Até mais ver. Eduardo Sóstenes.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns! Professor Neilton. Amo poesias. O trabalho desenvolvido com bastante sensibilidade e propriedade para os leitores. Isso prova o senso do dever, do poeta colocar no papel, seus sentimentos, principalmente numa pandemia Covid-19. Prova que está no processo transformador de paradigmas, não é o momento, nem a situação ,e sim a inspiração do poeta que você representa. Aluna: Cleoneide FOCCA Curso: Letras

    ResponderExcluir
  9. Parabéns! Seu trabalho poético é maravilhoso. A cada palavra lida uma grande inspiração. Bravo!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns Neilton, poemas inspiradores, trabalho muito show, parabéns amigo, sucesso!!

    ResponderExcluir
  11. Obrigado mestre, poeta e amigo! Por trazer tanto conforto e palavras de sabedoria!! Que continue escrevendo e alimentando nossas almas!!! Um grande abraço! Cesar

    ResponderExcluir
  12. Obg neu irmão, palavras fortes e sinceras

    ResponderExcluir
  13. Amante das artes desde o dia em que o conheci, andava com seu caderno de poesias, sempre estava ali, observando o seu entorno e colocando a vida em parágrafos.
    Nunca deixava ninguém ler o que escrevia.

    Que surpresa boa ser apresentado a sua arte meu amigo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neilton Lima estava escondendo o jogo. Um excelente poeta, além de um crítico literário de primeira linha. Parabens mesmo.

      Excluir
  14. Quanta profundidade! Todos são ótimos!! Recife foi o meu favorito! ❤

    ResponderExcluir

Recent in Recipes

3/Food/post-list