domingo, 19 de junho de 2016


OS PIRATAS – TOMO III

Os piratas: Juareiz Correya, Maria do Carmo Barreto Campello
de Melo, Marcos Cordeiro, Luiz Manoel Siqueira e José Carlos Targino



Nesta edição o DCP traz a poesia dos piratas Juareiz Correya, Maria do Carmo Barreto Campello de Melo, Marcos Cordeiro, Luiz Manoel Siqueira e José Carlos Targino. CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA.



DIA DE CHUVA
Juareiz Correya

Faltam poesia e verdade
nos serviços de meteorologia
e nas comunicações
das moças do tempo
no rádio e na televisão.  
Todos os dias 
- masculinos por natureza  -
têm sua beleza,
como todas as fêmeas. 
Como se pode dizer
(e isso dizem sempre)
que um dia de chuva
renovando e fecundando
todo o útero da Terra 
é um dia de tempo ruim
e feio ?

(Olinda, julho / 2006)



LIÇÃO DE AMOR
Maria do Carmo Barreto Campello de Melo (1924 - 2008)

Não te direi de amor
assim como tu queres
pois não se faz o amor, amor existe
e permeia e transcende coração e mente
e dá se dando e dando inteiramente
que despojado é o amor, sem adereços
e a pele é a melhor das vestimenta

Não te direi
assim como o entendes
mas se eu disser de mim, direi do amor
que há quem não se dando já deu tudo
e visitou a face do teu ser impuro
e adormeceu à sombra dos teus sonhos.

Não
assim como desejas
só que me entrego à noite e ao desespero
e ferida de amor digo teu nome
e ele me cobre como uma vestidura.


SOBRE A TERRA, NOS CONFINS DO MOXOTÓ!
Marcos Cordeiro

As tuas mãos ao me tocar um dia
Também tocaram harpas e lanças.
E o meu desejo se fazendo mais ardente
Tocou ao longe oboés e trompas de prata
Em harmonia com o campo verdes,
Ali aos pés da Serra de Jabitacá.

- Ei-me aqui com o amor despido...

À passagem do caçador audaz
Em busca do amor mais fugidio
De fadas e princesas encantadas
Saídas dos livros de estórias,
As siriemas cantaram excitadas.
Seus solilóquios em tom maior:

- Ninguém nos ama! Ninguém nos ama!

Essas sopranos solitárias e tristonhas
Para mim doaram-se em recital
Executando entre lajedos e nuvens
Cantos agrestes e árias azuis.
Ao observá-las nessa tarde de estio
Eu encontrei a eterna primavera.

- Sobre a terra, nos confins do Moxotó!

(Olinda, 29/10/2013)



FEITIÇO
Luiz Manoel Siqueira


A claraboia dos seus olhos não esconde
um sonho triste do outro lado da vidraça
é como um tigre envolvido pela sombra
de um caçador que nunca encontra sua caça.

O circo inteiro já partiu de manhãzinha
sem perceber toda a tristeza do felino
a fera presa no jardim do seu vestido
era o meu sonho de amor quando menino.

Alguém de negro joga cartas sobre a mesa
a um marinheiro de gravata azul marinho
o rei de copas sai da carta e o tigre mata
e o marinheiro se transforma em passarinho.

Por muito tempo esse feitiço foi cumprido
e vem de noite arranhar a sua porta
como quem chora a perfeição desse destino
meio felino, marinheiro, gaivota.



A LUZ IMÓVEL
José Carlos Targino


Madre, não é assim que justificamos os mortos.
Percorri duas vezes aquele lugar:
eles estavam sobre a montanha,
um bando enorme, e recuei às pressas.
Venha, venham, disseram as crianças,
e nenhuma resposta irrompeu em seu mundo.

Madre, um espaço infinito
há de anular teu coração, o teu também.
Meu corpo então cederá silenciosamente,
e não sob o clamor de carvões
e pedras, como queria certo mestre.
Nem toda morte é igual.


(Lírica. Poemas de José Carlos Targino, 1968, p. 19)



3 comentários:

  1. Os parabéns a Natanael e a Frederico Spencer são pequenos perto da dimensão de seu feito em publicar os autores destas postagens. Sempre encarei como exasperadora a carência de liames permanentes entre os autores que produzem e publicam em Pernambuco, em todas as categorias e espaços do presente e do passado com seu público.

    Fanzines, revistas de curta duração, publicações diversas dispersas, com pouco ou nenhum apoio institucional privado ou público que criam um vácuo editorial extremamente prejudicial. Quando se encontra livros esse material raríssimo em sebos é por preços de leilões!!!
    Obrigado, Senhores, por essa oportunidade de (re)encontro com esses artistas emblemáticos!

    Bárbara e Adilson (Nordeste Cartonero)

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima