domingo, 15 de junho de 2014


Poemas da Semana

Poemas de Natanael Lima Jr, Frederico Spencer, Juareiz Correya, José Terra e José Inácio Vieira de Melo





Existirmos
Natanael Lima Jr

Acabo de traduzir o acaso,
existirmos o que se destina ser.

O acaso me serve
no gozo de sê-lo
tão infinito, eterno.

Minha crença, o universo
qualquer outra não me acrescenta
exceto a voz
e a palavra que nomeia.

Existirmos,
o que se destina ser?

*Do livro À espera do último girasso, & outros poemas, 2011



Intervias
Frederico Spencer

“Ora (direis) ouvir estrelas!”
Por certo! De onde se aninha o poema
deita nas noites suas sementes
distantes e quentes, amanhecem
taciturnos em minhas mãos.
“E eu vos direi, no entanto”
que na pauta do dia
escondidos, dialogamos
neste espaço de aço e gente
no caderno, ou da mais distante galáxia
vais nascer, quebrando a ordem do dia.
E quando nasceres
talvez menos estrelas haverá no universo
nos meus ouvidos
mais uma canção.



Só os poetas têm língua*
Juareiz Correya

   "Minha Pátria é a minha Língua." 
                        (Fernando Pessoa)

Tua Pátria é a Língua Portuguesa,
Fernando Álvaro Alberto Ricardo Pessoa.  
A minha é a Língua Brasileira 
com tudo de português e índio e negro que nela há.
Só os poetas têm Língua,
tu sempre soubeste disto.
A maioria dos homens não sabe nem quer saber 
o que é uma Língua 
(nem o valor que a Pátria tem).
Os doutores têm as suas Ciências 
- o que não é uma Língua.
Os analfabetos não têm nem credo nem nada 
- o que não é uma Pátria.  

Só os poetas têm Língua 
e os homens que só escrevem
- mas não escrevem versos -,
escrevem em qualquer língua 
mas não escrevem a sua pátria.

Outra língua identifica qualquer homem
mas não identifica um poeta:
só a sua própria Língua 
revela o poeta e a sua Pátria inteira.

*Do livro inédito Poemas do novo século 



A amiga do amor
José Terra

               para Leokádia Loyal, minha amiga

Quando ela me ofereceu uma rosa
Seus cachorrinhos se cruzaram num ato maior de ternura
Os amantes errantes viraram alma,maça,lirismo
A dançarina de tango
Tatuou no estado febril de seu corpo:
Um trovador,dois amantes,três cronistas,quatro malandros e cinco políticos

A cidade inteira se vestiu de branco e prada

Sendo assim a vida, Deus voltou a beber o vinho perfeito!!!

Tudo isso só aconteceu
Porque a dançarina de tango ganhou os presentes maiores:
Os cachinhos do cabelo, o suave rosto e o sorriso de fogo
Da mulher que me ofereceu uma rosa



Ave
José Inácio Vieira de Melo

Uma prece desponta na poeira:
neste defumador, bruma das almas,
nessa cruz da paixão. É sexta-feira –
falam no vinho em consoante flama.

Num cântico, tanger toda essa gente,
adentrar as cancelas dos currais,
e a prece, assimilada na tangente,
erguendo templos, constrói capitais.

O chocalho dos deuses chama a ave:
hora das trancas, bulício de chaves,
e o menino deseja o leite santo.

Reconhece-se nessa procissão
denso crivar da fome em profusão:
longa é a fila aos peitos dessa santa
.



3 comentários:

  1. Belos poemas "Existirmos, o que se destina ser?" é uma pergunta extraordinária. Parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos sua visita e comentário. Abç poeta

      Excluir
  2. obrigado mais uma vez NATANAEL e FREDERICO por publicarem mais um poema meu!!!

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima