domingo, 12 de abril de 2015


CONTO DO DOMINGO

A casa dos sete gatinhos (conto) de Fernando Farias


  
Foto: reprodução


   Quem passa de carro na avenida apresada apenas percebe o muro coberto de cartazes acumulados de várias eleições. As mangueiras escondem da paisagem a velha casa abandonada. Arquitetura típica da década de 60, linhas inclinadas e cobertas de azulejos verdes e amarelos desbotados pelo tempo. Na varanda, cadeiras de bambus apodreceram.

         O que era antes um jardim é um matagal que cobre até o portão com ramas de trepadeiras. O quintal é uma selva fechada pelas goiabeiras entrelaçadas. Um habitat de lagartixas pretas, que servem de alimentos para os gatos que entram e saem da casa através das molduras dos vidros quebrados dos postigos das janelas.

         Coberta por telhas inglesas, a maioria rachada e escurecida, por onde as goteiras e os raios do sol penetram pelas paredes sujas até o piso; assoalhos de tacos de madeira, revestidos de poeira, folhas secas e fezes dos gatos.

         A ninhada que nasceu no sofá azul e mofado, brinca com as bolinhas de gude coloridas, encurraladas entre as paredes cobertas de fotografias e imagens de santos que o ar desbotou.

         Os gatinhos saltitantes brincam fazendo as bolinhas rolarem se espalhando pela sala, corredor, até o banheiro de louças encardidas pela ferrugem; a cozinha destruída pela maresia e um quarto coberto pela umidade da salina e o lodo ressecado, a poeira cobre o espelho da penteadeira.

         A bolinha azul rola até o guarda-roupa com as portas abertas. De um lado, as calças de tergal e camisas mofadas de homem, do outro, um tubo de batom e pequenas teias de aranhas.

         Ao canto, em cima de uma mesinha coberta com paninho de renda de crochê encardido, há um bilhete rabiscado a lápis, numa folha rasgada de um caderno, onde, ainda, se pode ler:

         “Querida, eu te amo! Eu sei que você vai voltar. Me acorde quando chegar.”

         Apesar da brincadeira barulhenta dos gatinhos, a mamãe-gata dorme tranquilamente na cama, aos pés de um esqueleto humano coberto com um lençol de algodão.

         No piso do quarto, a réstia do sol desliza silenciosamente.


*Transcrito do livreto Entre sete estrelas / Coleção “O livro azul” 

 
*Fernando Farias é escritor e contista pernambucano. Coordena atualmente o projeto “Um escritor na minha escola”, em Jaboatão dos Guararapes.







4 comentários:

  1. Gosto desse conto. Muito bom Fernando. Eu não faria... Abçs!

    ResponderExcluir
  2. Gosto desse conto. Muito bom Fernando. Eu não faria... Abçs!

    ResponderExcluir
  3. Suas palavras descritivas pintam imagens poéticas.

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima