domingo, 4 de maio de 2014


Ascenso Ferreira: um poeta de dois séculos*

por Juareiz Correya










Foto: Reprodução


Na próxima sexta-feira, 9 de maio, o poeta pernambucano Ascenso Ferreira completa o seu 119º. aniversário de nascimento, lembrado hoje em justa e merecida homenagem por este antenadíssimo blog literário pernambucano DOMINGO COM POESIA. A sua cidade natal, Palmares, a conhecida terra dos poetas, o homenageia pela primeira vez relevando oficialmente o seu nome no dia do seu aniversário como o DIA DO POETA ASCENSO FERREIRA, que é, na verdade, um festivo Dia de Todos os Poetas Palmarenses.  A iniciativa do vereador Wilson Monteiro, da Câmara Municipal dos Palmares, com esse projeto, inscreve também, para sempre, na história política e cultural da cidade, o seu respeitável nome.

Ascenso e a sua singularíssima poesia sempre viverá, em Pernambuco, no Nordeste e no Brasil que ele amou e soube, no tempo em que viveu, poetizar e eternizar com a sua criação modernista sinteticamente popular e erudita.  O poeta se encantou, no Recife, em 1965, há exatos 49 anos, e continua nos encantando, seduzindo quem encontra ou reencontra os versos definitivos, cheios de terra e  água e ar e fogo do Nordeste, dos livros Catimbó, Cana Caiana e Xenhenhém.

É claro, devemos reconhecer que a importância da sua poesia ainda não é devidamente conhecida, reconhecida, relevada e amada no universo cultural brasileiro.  Mas esse é um problema que atinge mortalmente a maioria dos grandes poetas brasileiros. Ascenso não está só diante desse trágico retrocesso.

Mas iniciativas e realizações como a que existe exemplarmente em Pernambuco, com o Laboratório de Autoria Literária Ascenso Ferreira, criado e mantido pelo Sesc-Santa Rita, do SESC-PERNAMBUCO, com uma inteligente e multidinâmica programação cultural e literária, realizada, anualmente, desde 2008, reacendem a esperança de todos os que acreditam na Poesia e em um futuro melhor e mais verdadeiro para a Cultura, e particularmente para a Literatura, no Brasil mais brasileiro das nossas vidas.   

Ascenso, que foi um artista do seu tempo, de contribuição significativa no Século 20 em que viveu, chega a este Século que habitamos como um vivente contemporâneo, um manifesto vivo.

E não se espantem : é uma idéia, é um sonho de projeto mas ainda neste ano O TREM DE ALAGOAS, de Ascenso Ferreira (“O condutor apita o apito / solta o trem de ferro um grito / põe-se logo a caminhar... / - Vou danado pra Catende, /  vou danado pra Catende, / vou danado pra Catende, / com vontade de chegar... / Mergulham mocambos, / nos mangues molhados, / moleques mulatos, / vêm vê-lo passar... / - Adeus ! / - Adeus !”), deixará de ser apenas um poema de forte evocação para se tornar realmente O TREM DA POESIA DE ASCENSO, servindo novamente ao nosso povo, um trem abençoado/rebatizado com poesia, já preservado na criação do poeta e viajando de novo nos trilhos do destino do Recife à  sua terra natal, na Mata Sul de Pernambuco, para além da eternidade...
  
E, mais atual do que nunca, o poeta vai circular entre nós, brasileiros leitores, internautas, torcedores, publicado com a exposição da sua poesia em cartaz, às vésperas da Copa do Mundo no Brasil, com o seu alegre e irreverente poema A COPA DO MUNDO (publicado em 1951) : 

No meio daquela confusão toda
De rádios berrando,
Fogos pipocando,
Bêbados cantando !

Maria embocou pela porta de Chico Tenório adentro,
Do qual se encontrava há muito tempo off-side,
E exclamou alucinada :

- Chiquinho, meu bem,
O Brasil ganhou a Copa do Mundo, 
Vamos também fazer o nosso gol, meu amor !


*Especial para o blog Domingo com Poesia



4 comentários:

  1. Parabéns Juareiz, mas que justa homenagem a esse grande poeta e votos de aplausos ao vereador Wilson Monteiro, da Câmara Municipal dos Palmare, ato que sirva de exemplo aos demais vereadores do poder legislativo muicipal de nosso estado.

    ResponderExcluir
  2. Conheci Ascenso nos ônibus elétricos de Campo Grande, Recife (ele morava no Hipódromo)... Há dois meses, mais ou menos, sugeri, ao Jornal do Comércio, um caderno especial sobre poetas de, e, em Pernambuco. E nada, nenhuma resposta a um leitor veterano (aos meus15 anos meu pai guardava um exemplar de 1943, com notícias da última guerra "romântica"... cruz credo!). Pernambuco é travado até para com o turismo, tudo emperra na falta de um horizonte menos provinciano. Que Deus o tenho. Lembrete: Dia 14 de março - Dia Nacional da Poesia / Dia 21 de março - Dia Internacional da Poesia. Nos jornais, nada.

    ResponderExcluir
  3. Tão belo e contagiante, o seu texto nos inunda de alegria. Eu, de minha parte prometo apresentrar Ascenso aos mes alunos, que não são poucos(554), a partir do poema oportuno da Copa do Mundo. Abraços e parabéns, Juareiz, por manter acesa essa chama.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom saber q nosso poeta Ascenso é imortal para a literatura pernambucana

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima