domingo, 27 de outubro de 2013


Outubro da Poesia Pernambucana

Poemas de João Cabral de Melo Neto, Manuel Bandeira, Alberto da Cunha Melo, Edwiges de Sá Pereira, Austro Costa e Luiz Carlos Monteiro


Homenagem a Picasso*
João Cabral de Melo Neto
  

(09/01/1920 – 09/10/1999)

O esquadro disfarça o eclipse
que os homens não querem ver.
Não há música aparentemente
nos violinos fechados.
Apenas os recortes dos jornais diários
acenam para mim como o juízo final.

*Pedra do Sono, 1940/1941



Contrição*
Manuel Bandeira
  

(19/04/1886 – 13/10/1968)

Quero banhar-me nas águas límpidas
Quero banhar-me nas águas puras
Sou a mais baixa das criaturas

Me sinto sórdido

Confiei às feras as minhas lágrimas
Rolei de borco pelas calçadas
Cobri meu rosto de bofetadas

Meu Deus valei-me

Vozes da infância contai a história
Da vida boa que nunca veio
E eu caia ouvindo-a no calmo seio

Da eternidade

*Estrela da manhã, 1960



O cerco
Alberto da Cunha melo
  

(08/04/1942 – 13/10/2007)

Estamos todos cercados;
e o silêncio do sonho
é nossa arma sagrada:
as pistolas e as línguas de aço
dos inimigos brilham ao sol,
e eles gritam tanto
sobre as velhas colinas,
atrás das cegas estantes,
que sabemos de tudo;
e colados ficamos,
amamos e permanecemos.



A uma estrela*
Edwiges de Sá Pereira
  

(25/10/1885 – 04/08/1959)

À estrela que acompanhada a lua
Eu, curiosa, perguntei um dia:
- Qual de vós vale mais, a que flutua
No céu azul da minha fantasia.

Ou tu que, no correr da noite fria,
Erras no céu, assim pálida e nua,
Das esferas ouvindo essa harmonia
Que, até de ouvi-la, o velho mar estua?

E a clara estrela disse-me: “Criança,
Quando fanada a última esperança,
A alma ficar-te de ilusões vazia,

Inda hás de ver-me fulgurar, divina;
Mas onde encontrará a que ilumina
O céu azul da tua fantasia”?

*In Pernambuco, Terra da Poesia, 2010, p. 117



O canto do cisne*
Austro costa
  

(06/05/1899 – 29/10/1953)

Mil amores cantei. Fáceis amores...
Vagas quimeras... leves utopias...
Vãos devaneios de que enchi meus dias
Nos vinte anos azuis dos sonhadores...

Mil amores cantei... mas, entre flores,
Beijos, risos, promessas, fantasias,
Vi-os bater as asas fugidias...
Não me deixaram lágrimas, nem dores.

Este, porém, que se aprimora em pranto
E renúncia em minh’alma – estranho e santo
Amor, a que não trazes teu socorro.

Este, sim! vale o canto que te oferto.
Ouve-o, e guardo-o! Ele é teu. Será, decerto,
O meu canto de Cisne. Canto-o e morro!

*In Pernambuco, Terra da Poesia, 2010, p. 144



Poema sertaniense ou nas ruas da velha cidade*
Luiz Carlos Monteiro
  

(24/101957 – 27/07/2011)

Nas ruas da velha cidade
batidas de sinos vibrando
vai lentamente um cortejo
silencioso avançando

Procissão missa ou enterro
os sem-aviso sondando
se procissão – muito bem
se funeral – isso é mau

Rua velha
velha igreja
última benção
final


In Poemas, 2003, p. 41



5 comentários:

  1. Uma maravilhosa apresentação de belos poemas dos nossos inesquecíveis poetas pernambucanos. Edição antológica, de muito bom gosto. Abraços e parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Agradecemos seu comentário. Buscamos sempre o melhor da poesia pernambucana e brasileira.

    Natanael Jr.

    ResponderExcluir
  3. Que seleção, Natanael! Maravilha!

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Márcia, agradecemos sua visita e seu comentário.

      Natanael Jr

      Excluir
  4. muito bom, parabéns!

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima