domingo, 20 de outubro de 2013


Especial 100 Vinicius

O Domingo com Poesia celebra os 100 anos de nascimento do poeta Vinicius de Moraes


Em 19 de outubro de 1913, nascia no Rio de Janeiro o "poeta da paixão", cuja obra se estenderia da literatura ao teatro, à música e ao cinema. Cursou a Faculdade de Direito da rua do Catete e a Universidade de Oxford, onde estudou língua e literatura inglesas. Em 1941 entrou para o Itamaraty, assumindo em 1946 seu primeiro posto diplomático, de vice-cônsul em Los Angeles. Poeta, cronista e dramaturgo, em 1953 conheceu Antonio Carlos Jobim e iniciou um apaixonado envolvimento com a música brasileira, tornando-se um de seus maiores letristas. A lista de seus parceiros musicais é vasta, incluindo, além de Tom Jobim, Baden Powell, Chico Buarque, Carlos Lyra, Edu Lobo e Toquinho, entre outros. Morreu em 1980, na banheira de sua casa, no Rio de Janeiro.
Dono de uma verve lírica única, Vinicius de Moraes viveu pra dizer que a tristeza não tem fim, enquanto ao mesmo tempo afirmava que não é possível ser feliz sozinho. Ave Vinicius!


Dois poemas de Vinicius de Moraes

Soneto do maior amor

Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal-aventurada.

Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer - e vive a esmo

Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.

Oxford, 1938


Soneto de devoção

Essa mulher que se arremessa, fria
E lúbrica aos meus braços, e nos seios
Me arrebata e me beija e balbucia
Versos, votos de amor e nomes feios.

Essa mulher, flor de melancolia
Que se ri dos meus pálidos receios
A única entre todas a quem dei
Os carinhos que nunca a outra daria.

Essa mulher que a cada amor proclama
A miséria e a grandeza de quem ama
E guarda a marca dos meus dentes nela.

Essa mulher é um mundo! — uma cadela
Talvez... — mas na moldura de uma cama
Nunca mulher nenhuma foi tão bela!





3 comentários:

  1. Vinicius marcou sua época e nos marcou também com suas composições de amor, nos deu alento neste século desesperado.

    ResponderExcluir
  2. Dono de uma verve lírica única, Vinicius viveu pra dizer que a tristeza não tem fim, enquanto ao mesmo tempo afirmava que não é possível ser feliz sozinho.

    ResponderExcluir
  3. Há pessoas que nascem para brilhar eternamente... pra sempre Vinícius.

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima