domingo, 11 de agosto de 2019


PASSAMENTO AO MEU PAI, SONETO DE JOSÉ LUIZ MÉLO



Neste dia especial dedicado aos pais, o DCP presta esta homenagem a todos os nossos verdadeiros amigos, confidentes e conselheiros, através do belo e vigoroso soneto do poeta-amigo José Luiz Mélo, “Passamento ao meu pai”.




Foto: Reprodução





PASSAMENTO AO MEU PAI
“paraíso que chega ao pensamento”.
José Luiz Mélo*, 15/05/2019

Me chega pelo vento um cheiro estranho:
É um perfume ardoso e nevoento,
seu n
úbil tingimento, cor de estanho,
desenha uma sutil rosa dos ventos.
Vem com delicadeza este rebanho
de duendes de fumaça. Fragmentos
de fumo e outros odores. Um estranho
paraíso que chega ao pensamento.
Mas, de onde vem, com a delicadeza
de punhais de mulher, e a sutileza
da leveza serena do aqueduto.
Então, claudica o tempo, o movimento,
o enguiço derradeiro, o passamento:
— O rosto do meu pai, o seu charuto!

*José Luiz Mélo nasceu em Jaboatão dos Guararapes (PE), em 1941. Componente da Geração 65 de escritores pernambucanos, integrou com Jaci Bezerra, Domingos Alexandre e Alberto da Cunha Melo o Grupo de Jaboatão. Autor de uma poesia belissimamente descontente, publicou alguns poemas no Diário de Pernambuco em 1966, sob a égide do professor, crítico literário e poeta César Leal. Em 1981, publicou o livro de poemas “Proibições e Impedimentos”, pela Edições Pirata. Em 2016 publicou o “Primeiro Livro dos Sonetos, dos primeiros aos penúltimos...”, pela Editora Novoestilo, Edições do Autor. Em 2018, publicou o seu mais recente livro “Segundo Livro dos Sonetos, os penúltimos...” e em algum tempo, no futuro, para complementar a trilogia, publicará o “Terceiro Livro dos Sonetos, os derradeiros...”.




0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    8 anos

    desde 2011


Editor-Fundador Natanael Lima Jr