domingo, 11 de agosto de 2019


AS CANÇÕES DE NATANAEL LIMA



Publicado em 05/08/2019 por Revista algomais às 16:58

Por Paulo Caldas*









Poesia trabalhada com afinco, ancorada na rigorosa busca do esmero, é a tônica deste Ensaio sobre a canção árida (produzido pela Imagética Edições, com diagramação e capa de Erivaldo Passos e impressão da Luci Artes Gráficas), recente lançamento do poeta Natanael Lima Júnior.

No dizer da conceituada Maria de Lourdes Hortas, dona de uma obra poética admirável, que prefacia estas canções, Natanael está consciente do seu mundo e do seu tempo, e nos apresenta a exaustiva resistência na certeza de que, enquanto o amanhã houver, a poesia viverá.

As virtudes do livro também residem na amplitude dos temas que transitam com fluidez entre a universalidade e o intimismo. A mesma virtude é sentida nos aspectos de natureza estética, com a presença de versos livres, vigorosos, tal no Pós-Modernismo, que permeiam os poemas como “Metáfora abissal”, por exemplo, temperado com o artifício sonoro e rítmico das proparoxítonas:

“O poeta é um réptil,
que rasteja no deserto
àrido da palavra.
Habita pântanos,
criptas e fontes insípidas,
à cata da metáfora abissal”.

Noutro momento, o autor exibe sua capacidade de síntese e se aproxima da aliteração/assonância, quando escreve:

“Nada me assombra
além da sombra vadia.
Nada me deslumbra
além da penumbra vazia”.

Projetado sobre um sexteto de canções que evoluem sob “o labor poético de Natanael kafkiano”, conforme define o professor Neilton Limeira numa das orelhas do livro, as canções de Natanael devem ser entoadas por tantos e quantos bardos e leitores cativos da arte do bem escrever.







*Paulo Caldas é escritor




0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    8 anos

    desde 2011


Editor-Fundador Natanael Lima Jr