domingo, 27 de maio de 2018


MAIAKÓVSKI, O POETA OPERÁRIO



Por Natanael Lima Jr.*





Vladimir Vladimirovitch Maiakovski
Foto: Reprodução




Vladimir Vladimirovitch Maiakovski nasceu em julho de 1893, em Bagdádi, na Georgia. Em abril de 1930, aos 36 anos, em Moscou, URSS, deu um ponto final a sua vida com uma bala no peito. Ficou conhecido mundialmente como o “poeta da revolução”, mas foi, sem dúvida, um exímio “poeta operário”, considerado um dos mais influentes do século XX, ao lado de Ezra Pound e T.S. Eliot.

Maiakóvski foi o mais ousado renovador da poesia russa de todos os tempos, um dos primeiros poetas a utilizar um vocabulário urbano, cotidiano e destituído de recursos estéticos, contudo soube utilizar brilhantemente ricas metáforas em seus poemas. Foi o poeta que libertou o verso da rigidez estética e alargou a esfera do lirismo.

Em 1918, Maiakóvski escreve o poema O poeta-operário, “talvez ninguém como nós ponha tanto coração no trabalho”. O poeta é um verdadeiro operário, é aquele que trabalha a palavra, que retorci e a transforma. O poeta é um trabalha/dor, que se entrega totalmente à sua produção, que trabalha com dedicação e afinco a palavra. Por isso, ele tinha como opinião de que o artista revolucionário deve encarar-se como um trabalhador, um operário das artes, “a esculpir a tora da cabeça humana e a pescar gente viva”.



*Natanael Lima Jr. é poeta, pedagogo e editor do DCP




O poeta-operário*

Grita-se ao poeta:
“Queria te ver numa fábrica!
O quê? versos? Pura bobagem!
Para trabalhar não tens coragem”.
Talvez
ninguém como nós
ponha tanto coração
no trabalho.
Eu sou numa fábrica.
E se chaminés
me faltam
talvez
sem chaminés
seja preciso
ainda mais coragem.
Sei.
Frases vazias não agradam
Quando serrais madeira
é para fazer lenha.
E nós que somos
senão entalhadores a esculpir
a tora da cabeça humana?
Certamente que a pesca
é coisa respeitável.
Atira-se a rede e quem sabe?
Pega-se um esturjão!
Mas o trabalho do poeta
é muito mais difícil.
Pescamos gente viva e não peixes.
Penoso é trabalhar nos altos-fornos
onde se tempera o ferro em brasa.
Mas pode alguém
acusar-nos de ociosos?
Nós polimos as almas
com a lixa do verso.
Quem vale mais:
o poeta ou o técnico
que produz comodidades?
Ambos!
Os corações também são motores.
A alma é poderosa força motriz.
Somos iguais.
Camaradas dentro da massa operária.
Proletários do corpo e do espírito.
Somente unidos,
somente juntos recomeçaremos o mundo,
fá-lo-emos marchar num ritmo célere.
Diante da vaga de palavras.
levantemos um dique!
Mãos à obra!
O trabalho é vivo e novo!
Com os oradores vazios, fora!
Moinho com eles!
Com a água de seus discursos
que façam mover-se a mó!


*Coleção a Obra – Prima de Cada Autor
Maiakóvski – Vida e Poesia
Tradução dos poemas – Emílio C. Guerra e Daniel Fresnot
Editora Martin Claret, 2006







2 comentários:

  1. Não é difícil morrer nesta vida: Viver é muito mais difícil.
    (Vladimir Maiakóvski)

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Natanael Lima Jr, Frederico Spencer e José Luiz Mélo