domingo, 23 de agosto de 2015


O OVO CÓSMICO



por Frederico Spencer*



Capa: Divulgação
‘O ovo cósmico’, de Fernando Farias



Dizem que Colombo conseguiu que um ovo ficasse de pé, frente a uma plateia que refutava seu feito de ter descoberto a América. Hoje essa história faz alusão a algo que parece ser muito difícil de ser realizado, mas, que pode parecer muito fácil depois de feito. O genial diretor de cinema Ingmar Bergman utilizou também o mito do ovo para contar a história do nascimento do nazismo na Alemanha no filme: O Ovo da Serpente.
Na sua cosmologia Fernando Farias nos traz a referência de outro ovo: O Ovo Cósmico, nave gestacional de sua arte de contar histórias. O autor parte da ideia do ovo como meio representacional para sua criação artística: a gema, fonte da criação humana - a substância da arte como forma de expressão das impressões do artista sobre um mundo irracional, tenso, pronto a explodir a qualquer momento. Entre a casca - linha tênue das relações do autor com o mundo pós-moderno, veloz e contraditório, existe uma clara - clara alusão de um humor sarcástico ante às tensões de suas relações com um mundo exterior que agoniza.
Já nas primeiras linhas do prefácio o autor faz referência ao poder metafórico de sua escrita: “Eu já disse uma vez que dentro é bem maior do que fora”, nos alertando para o efeito suicida de seu “big bang”, fonte das mudanças macrocósmicas que partem da contagem de suas estórias e que nos coloca à beira do nosso universo particular.
No livro, o ovo assim como a arte pode servir à gastronomia: palatável para o almoço e atendendo a uma necessidade de sobrevivência do ser humano, como também ser a chave para a abertura de novos conceitos estéticos descobertos a partir de um novo conteúdo, que nos leva à crítica das práticas e dos movimentos do velho mundo, da visão gasta de um tempo que já não nos alimenta.
Na sua frase futurística, “O Ovo Cósmico representa o ponto inicial do universo infinito, ilimitado e sempre em expansão em energia pura em constante movimento oval”, Anton Sever, personagem do conto, aponta para dentro da existência de nossas paixões, onde o próprio Narciso se debruça e estanca - preso está à sua beleza ou também para além do horizonte do universo onde somos queda para um mundo de surpresas, que nos faz treinar a reflexão do nosso tempo terreno nos indicando um recomeço recoberto de imagens e cores, fruto de outras galáxias onde só as palavras conseguem nos levar.
Como alegoria, O Ovo Cósmico nos dá a chance para uma viagem entre personagens e um ambiente representacional que são indicadores de nossas relações no mundo atual, onde cultuamos a objetificação do ser humano, sendo nós mesmos os atores de nossa comédia cotidiana, posto que da gema, da clara e da casca somos todos, juntamente com ele, o ovo, constituídos.


*Frederico Spencer é sociólogo, psicopedagogo, professor, poeta, escritor, membro da Academia de Letras do Jaboatão dos Guararapes e editor do ‘Domingo com Poesia’.



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima