domingo, 22 de junho de 2014


O Conto da Semana

O menino do olho azul (conto) de Salete Rêgo Barros

Foto: Reprodução

Era assim que a avó se referia ao encapetado vizinho que quebrava vidraças apontando seu bodoque contra indefesos seres que se equilibravam na galhada dos quintais.

– A gorda não pode com ele, diziam. Ninguém pode. O pai sai com o escuro levando sua marmita, e só volta lá pelas tantas, quando o menino entregue está, nos braços de Morfeu.

Como um raio, pulava muros em perseguição a sibites, bem-te-vis e lavandeiras, pelo puro prazer de vê-los caídos com os cambitos tesos. – Tem parte com o cão, comentavam. Quando menos se espera, estilhaços amontoam-se denunciando mais uma vítima. – Vou dizer a sua mãe, ouvia-se inutilmente.

O balão vai subindo, vai cair na garoa / o céu é tão lindo e a noite é tão boa / São João, São João, acende a fogueira no meu coração.

A meninada alegre se encanta com labaredas e estrelinhas que crepitam querendo, também, brincar. – Brincadeira perigosa, alerta o avô sem ser ouvido.

À procura de um graveto mais robusto, que fosse capaz de incentivar a brincadeira, lá está ele desafiando efusivos protestos. Compenetrado, marcha em direção àquele amontoado de galhos secos. Investe mais e mais até que consegue derrubar o resultado das horas trabalhadas pelo avô. Gritos, correria. O braseiro desaba espantando a meninada. Não satisfeito, o capeta enfia a mão no bolso retirando os diabinhos que havia surrupiado do dono da barraca de fogos. Radiante, encosta um, dois, três, num galho em chamas. Por fim, joga o restante no meio do fogaréu. A gritaria e o corre-corre aumentam consideravelmente, envolvendo, agora, os adultos. Eletrizados, os diabinhos entram nas casas, correm becos, perseguem grandes e pequenos. Um mais esperto se aloja embaixo da saia rodada mais bonita, toda enfeitada de fitas coloridas de cetim, deixando em carne viva as lembranças que ficaram do menino do olho azul e dos conselhos da avó: lugar de uma mocinha bem comportada é dentro de casa.



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima