domingo, 12 de janeiro de 2014


O Conto da Semana

Milagres da cura (conto)* de Fernando Farias




Os pastores insistem que eu tire a prótese dentária. Sem dentes fico um velho caquético. Tenho cara de pobre, cabeça chata, bigodinho ralo, as roupas de alguma cortina usada. Arrasto os pés da displicência humilde.  Consigo me curvar, manter os ombros caídos, cabeça baixa e mãos trêmulas juntas na altura do peito como são os nordestinos interpretados nas peças de teatro.

Devo comparecer a dois cultos dias antes, óculos escuros baratos, uma bengala velha. A caricatura de um cego está pronta. Chamo atenção, escorrego, quase caio sendo amparado pelos fiéis. Decoro alguns “hinos” estridentes que canto alto procurando ganhar de todos nas desafinações. No terceiro culto sento na última fila e aproveito toda pausa de silêncio para espirar e tossir bem alto. Espero o pastor chamar os doentes. Vou esbarrando e chutando os paralíticos até chegar onde está o pastor e a câmera da televisão. Ajoelho-me e espero o pastor gritar palavras em aramaico. Como só ele tem o dom de falar línguas dos anjos e ninguém entende nada mesmo, fica sendo em aramaico.

O pastor, com as mãos firmes em minha cabeça, tenta tirar o encosto. Eu pareço um espantalho balançando ao vento. E começo a gritar.  Espantalho é o caralho, costurei a foto e o nome dela na boca do sapo. Era evangélica, mas trabalhou no cinema como dublê de bunda. Levou minha última geladeira.

Depois é só levantar e gritar “eu vejo a luz, eu vejo a luz”. O pastor recomenda que eu tire os óculos e que olhe para as lâmpadas da igreja. Assim não estarei mentindo. Dizendo a verdade, ganho meu sustento e não sou um pecador. Já conheci quase todo o país sempre de igreja em igreja, com milagres semanais. Ganho mais que vendedor de geladeiras. Depois basta eu colocar os dentes de volta e nunca mais voltar àquela cidade.

*Conto inédito



22 comentários:

  1. Muito bom o conto, Fernando, mas existem pastores de todos os tipos, como os padres e, resumindo, as pessoas. Anda crescendo uma série de acusações contra eles (que certamente não são santos), mas na Igreja Católica existem tantos padres errados. Espero que o Papa Francisco seja a mudança ansiada. Beijão, meu querido. Independente disto, o conto está divertido e muito bem construído. Linda semana para você.

    ResponderExcluir
  2. Bom, Fernando. Econômico, mas expressivo.E ponto para a temática, tão presente na vida real, tão ausente na literatura. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Natanael, é uma honra está entre as estrelas do Domingo Com Poesia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernando, que isso cumpadre, aqui não tem essa de estrelas, só militantes da literatura, rsrs

      Excluir
  4. Uma ideia na cabeça e uma caneta na mão, eis o segredo do escritor. Uma boa ideia, temática pouco explorada na literatura com construção que foge do comum. Muito bom.

    ResponderExcluir
  5. Transcreveu a realidade da maioria das religiões. Seria cômico se não fosse trágico, situações como estas e até piores, em que supostos "enviados", exploram diariamente a fé de pessoas desoladas. Que aqui configuro como a esperança de dias e/ou coisas melhores subvertidas em encenações.

    ResponderExcluir
  6. Sempre admirei o Fernando e agora tenho mais o prazer de ler um de seus contos. Que mais posso dizer? Parabéns!!! Continue nos brindando com seus trabalhos. Verluce Ferraz,

    ResponderExcluir
  7. Maria Aparecida de Carvalho12 de janeiro de 2014 18:12

    Este conto Fernando, é um pobre coitado que tem em todos os lugares.
    Ajoelho-me e espero o pastor gritar palavras em aramaico. Como só ele tem o dom de falar línguas dos anjos e ninguém entende nada mesmo, fica sendo em aramaico.kkkkkkk.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom Fernando. Você sempre surpreendente. Pior é que isso acontece mesmo. Bjs e continue assim. ��

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito, Fernando. Atrativa temática e técnica bem desenvolvida. Não sei qual sua promessa a este personagem. Mas acho que ele pode viver em outras histórias. abraço. Eugenio

    ResponderExcluir
  10. Muito bom, concordo com o Eugenio, esse personagem pode representar outras situações de nosso cotidiano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre Fernando vem nos brindando com sua colaboração. Belíssimo conto mestre. Parabéns e obrigado pelo presente.

      Excluir
  11. Fernando Farias tem o dom de tornar uma triste realidade em entretenimento, quisera esse fato fosse só imaginação! Mas estejamos atentos aos charlatões, e eu nao estou falando do pobre falso cego!

    ResponderExcluir
  12. Meu amigo:
    Muito feliz em ler mais um conto de sua autoria. Este, é de uma verdade imensa. Como imenso é o meu carinho por você e Sachiko. Obrigada amigo, por você existir e fazer parte da minha vida. Muita saudade... Beijão nesse teu coração lindo!

    ResponderExcluir
  13. Parabéns! Intrigante e audaciosa explanação, quase didática, de como enganar o próximo e conquistar o pão de cada dia. Lamentavelmente, retrato de nossa realidade. E, dessa forma, fiéis veem a luz sem mentir. Mas, são fiéis a que ou a quem mesmo?

    ResponderExcluir
  14. Ótimo, esta de parabéns!

    ResponderExcluir
  15. Um conto da vida real. Alguém duvida que seja exatamente assim, que a coisa funciona ? Infelizmente, é uma triste realidade que se reflete na incapacidade que o ser humano possui de se colocar no lugar do seu semelhante. Quem tem a tend~encia para a criminalidade tatuada na alma, não cessa de encontrar justificativas para as suas más ações. Parabéns, por mais este trabalho maravilhoso.

    ResponderExcluir
  16. Muito bom o conto, realidade do dia a dia infelizmente o ser humano tem a mente fraca pra crer, gosta de auto engano, Parabéns meu amigo.

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima