domingo, 10 de novembro de 2013


Poemas da Semana

Poemas de Natanael Lima Jr, Frederico Spencer, Antonio de Campos, José Terra e Jade Dantas


Existirmos*
Natanael Lima Jr

Img: Reprodução

Acabo de traduzir o acaso,
existirmos o que se destina ser.

O acaso me serve
no gozo de sê-lo
tão infinito, eterno.

Minha crença, o universo
qualquer outra não me acrescenta
exceto a voz
e a palavra que nomeia.

Existirmos,
o que se destina ser?

*Do livro À espera do último girassol & outros poemas, 2011.


Era tarde, um abril*
Frederico Spencer

Img: Reprodução

Quando o mundo se desvendou
sobre minha pele
replicou seu silêncio:
- era noite de abril.
Marcou com garras
as faces dos seus cios
e seus desejos de fera:
que sonhava
com suas asas rasas
singrava por eras.
Na lã do carneiro, o desafio:
quando o mundo se desnudou
era tarde, num abril.

*Do livro Abril Sitiado, 2011.


Brazil oil
Antonio de Campos

Img: Reprodução

aos petroleiros do Brasil

Leilão do Campo de Libra: a joia da coroa do pré-sal:
um negócio do Brazil feito pela China.


Da cabeça aos pés
traumatizado, à semelhança de Cristo,
nenhum osso quebrado,

igualmente crucificado,
os poços das mãos, perfurados,
sangrando petróleo

- Deus meu, Deus meu,
por que me obrigas a fazer greve
para não vender a pátria?

- Deus meu, Deus meu,
a troco de quê dão a César
o que de César não é?

outubro 18, 2013


Outras estações*
José Terra

Img: Reprodução

1
Quando é aurora
E estás na minha cálida mão de mágico
É porque só há dois topázios no verão de Deus :
A América que és e a África que sou
2
Se a flor-do-lácio é obra do outono
E o sentimento desvairado pertence ao jovem poeta
É certeza que sou o rei do regresso
Para fazer de ti a primeira mulher de maio
3
É fácil separar-te do inverno
Basta colocar-te nas delicadezas de uma persiana
Beijar teu matinal vermelho
E roçar teu corpo no campo do calor
4
Será na fonte do lirismo
O encontro dos amantes libertados
Beijo do céu e Beijo da terra
Na primavera do teu ventre e do meu peito

*Do livro Poesia do mesmo sangue, 2007, em parceria com o poeta Juareiz Correya


Dança de rimas
Jade Dantas

Img: Reprodução

meu verso não almeja academias
quero a cadência e o mistério da poesia
no toccato e fuga das palavras
pelos caminhos e curvas que encontrar

meu verso não domina o que almejo:
o poema perfeito e as miragens
das rimas guardadas nos teus braços
abolindo os limites das saudades

meu verso anseia a poesia das noites
em que o mar sonha sereias e amores
com sorrisos de espumas pelas praias

a poesia de dormir no teu cansaço
no aconchego e sensações de eternidade
muito além do sonho mais sonhado



6 comentários:

  1. MUITO OBRIGADO PESSOAL PELA PUBLICAÇÃO DO MEU POEMA, MAIS UMA VEZ!!!...VALEU NATANAEL E FREDERICO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui o espaço é democrático, valeu poeta!

      Excluir
    2. Poeta, é uma obrigação nossa publicar a nova poesia pernambucana, você agrega valor ao nosso portal.

      Excluir
  2. Obrigada Natanael e pessoal do Domingo com Poesia, pela publicação do meu poema Dança de Rimas. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jade, estamos juntos. Aqui n tem igrejinha, o espaço está sempre aberto.

      Excluir
    2. Jade é um prazer ter sua poesia em nosso portal, ela mostra a força da poética feminina de nossa terra.

      Excluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima