domingo, 15 de setembro de 2013


Poemas da Semana

Poemas de Natanael Lima Jr, Cida Pedrosa, Paulo Leminski, Torquato Neto e José Terra


Voz por toda parte*
Natanael Lima Jr

Img: Reprodução

um acordo fiz contra o acordo:
sangrar de vez a voz
e ser grito e lábios eternamente

um acordo fiz contra o acordo:
ser palavras qual extensão da vida
e ser mãos, olhos e alma

um acordo fiz contra o acordo:
jamais limitar os sonhos
e viver até desflorescer

um acordo fiz contra o acordo:
jamais ressuscitar a dor,
ser amor presente
e voz por toda parte


*Do livro “À espera do último girassol & outros poemas”






Geração*
Cida Pedrosa

Foto: Reprodução/bairro do Recife

Vivíamos no intestino do recife
e o capibaribe
era um parto de sonhos
onde digeríamos versos

vai longe o tempo
em que fuzis e baionetas
poderiam ser canto
enternecido e libre

geração ácida
que diluía a alma em álcool
e fazia redoma o copo

com certeza, senhores
vai longe, muito longe, o tempo
em que tiramos o papel do limbo
e cravamos o punhal no branco


*Da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, organizada por Juareiz Correya




Proema*
Paulo Leminski
(1944 – 1989)

Img: Reprodução

Não há verso,
tudo é prosa,
passos de luz
num espelho,
verso, ilusão
de ótica,
verde
o sinal vermelho.

Coisa
feita de brisa,
de mágoa
e de calmaria,
dentro
de um tal poema,
qual poesia
pousaria?


*Poema extraído do livro TODA POESIA. 1ª ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2013.



Cogito*
Torquato Neto
(1944 – 1972)

Img: Reprodução

eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível

eu sou como eu sou
agora
sem grandes segredos dantes
sem novos secretos dentes
nesta hora

eu sou como eu sou
presente
desferrolhado indecente
feito um pedaço de mim

eu sou como eu sou
vidente
e vivo tranquilamente
todas as horas do fim.


*O poema acima foi publicado no livro "Os Últimos Dias de Paupéria", Max Limonad - Rio de Janeiro, 1973, e  selecionado por Ítalo Moriconi para figurar no livro "Os cem melhores poemas brasileiros do século", Objetiva - Rio de Janeiro, 2001, pág. 269.



Estudo das flores
José Terra

Img: Reprodução

Alta classe é acender o lírio da manhã
e perfumar de poesia o cravo da tarde.
Pedir a mão da camélia da rua
e sempre ser divino para a capuchinha e a centáurea.

Sentimento é ter obsessão pela madressilva
Com a principal orquídea.

Fazer o lirismo benlouquecer
pelo sorriso da margarida e o olhar da íris.

Criar o melhor fogo
para a roupa da prímula e o rosto da ninfeia.

Com o melhor jasmim, beber o vinho da violeta

Para fazer cantar a verdadeira tulipa.



6 comentários:

  1. É UM HONRA MAIS UMA VEZ SER PUBLICADO PELO DOMINGO COM POESIA!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal seu poema! O espaço está aberto.
      Natanael Lima Jr

      Excluir
  2. Poeta, a honra é toda nossa. Um belíssimo poema. Parabéns.

    Frederico Spencer
    Editor de Texto

    ResponderExcluir
  3. Que seleção!!! Vocês estão se superando, cada vez mais!

    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Márcia que vc tem acompanhado nossos posts. A poesia é essa coisa toda. O Domingo com Poesia cumpre esse papel de ser um espaço plural e democrático.

      Excluir
    2. Márcia nossa intenção é de trazer para o nosso leitor um painel amplo de nossa poesia, só desta maneira mostraremos seu vigor. Obrigado pela visita, volte sempre.

      Excluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima