sábado, 6 de agosto de 2011


Poemas de Oswald de Andrade

Oferta

Quem sabe
Se algum dia
Traria
O elevador
Até aqui
O teu amor


Relicário

No baile da corte
Foi o Conde d’Eu quem disse
Pra Dona Benvinda
Que farinha de Suruí
Pinga de Parati
Fumo de Baependi
É comê bebê pitá e caí
 

3 de maio 

Aprendi com meu filho de dez anos
Que a poesia é a descoberta
Das coisas que eu nunca vi
 

Escapulário 

No Pão de Açúcar
De Cada Dia
Dai-nos Senhor
A Poesia
De Cada Dia


Canto de Regresso à Pátria

Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os pássaros daqui
Não cantam como os de lá

Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra

Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para São Paulo
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima