quinta-feira, 12 de outubro de 2000


HELENA COLODY

(Cruz Machado/PR, 12/10/1912 – Curitiba/PR, 15/02/2004)


Poeta e professora. Escreveu seus primeiros versos aos 12 anos, estudou piano e pintura. Aos 20 anos inicia sua carreira no magistério, lecionou no Instituto de Educação de Curitiba por 23 anos. Seu primeiro livro de poemas foi publicado em 1941: “Paisagem do Interior”. Tornou-se uma das poetas mais importantes do Paraná e foi a primeira mulher a publicar Haikais no Brasil, forma poética de origem japonesa, cuja característica é a concisão, ou seja, a arte de dizer o máximo com o mínimo. Foi admirada por poetas como Carlos Drummond de Andrade e Paulo Leminski, sendo que, com esse último, teve uma grande relação de amizade. Membro da Academia Paranaense de Letras, eleita no ano de 1991.
Principais Obras: Música submersa (1945); A sombra no rio (1951); Vida breve (1965); Era espacial e trilha sonora (1966); Tempo (1970); Correnteza (1977); Infinito presente (1980); Sempre palavra (1985); Poesia mínima (1986); Viagem no espelho (1988); Ontem, agora (1991); Reika (1993); Sempre poesia (1944); Caixinha de música (1996); Poemas do amor impossível (2002).
  

Sonhar

Sonhar é transportar-se em asas de ouro e aço
Aos páramos azuis da luz e da harmonia;
É ambicionar o céu; é dominar o espaço
Num vôo poderoso e audaz da fantasia.

Fugir ao mundo vil, tão vil que, sem cansaço,
Engana, e menospreza, e zomba, e calunia;
Encastelar-se, enfim, no deslumbrante Paço
De um sonho puro e bom, de paz e de alegria.

É ver no lago um mar, nas nuvens um castelo,
Na luz de um pirilampo um sol pequeno e belo;
É alçar constantemente o olhar ao céu profundo.

Sonhar é ter um grande ideal na inglória lida:
Tão grande que não cabe inteiro nesta vida,
Tão puro que não vive em plagas deste mundo.



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima