quinta-feira, 6 de julho de 2000


PEDRO XISTO

(Limoeiro/PE, 06/07/1901 - São Paulo/SP, 1987)


Poeta, prosador, jornalista, professor e advogado. Inicia sua produção poética no haikais, pertenceu à escola concretista. Na década de 50 publicou haikais, poemas concretos e criações visuais na revista “Invenção”. Viajou pela Europa e Oriente, divulgando a poesia brasileira em festivais e eventos como poeta, articulista e teórico. Em 1957 começa a escrever críticas literárias no Jornal da Manhã, quando percebe a singularidade dos poetas Décio Pignatari (1927), Augusto de Campos (1931) e Haroldo de Campos (1929), que formavam o grupo “Noigrandes”.
Principais Obras: Haikais e Concretos (1960); Caderno de Aplicação (1966); Logogramas (1966); A E I O U; ou Vogaláxia (1966); Caminho (1977); Partículas (1984).


Haicai

1
ao lado da lua
neste pinheiro vetusto
uma ave noturna

2
abro após as sombras
de par em par as vidraças:
alçam vôo as pombas



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima