sexta-feira, 16 de junho de 2000


DANTE MILANO

(Rio de Janeiro/RJ, 16/06/1899 – Petrópolis/RJ, 15/04/1991)

 
Poeta representativo da terceira Geração do Modernismo, considerado como um poeta mórbido e angustiado, refletiu na sua produção a preocupação com a morte, casando o pensamento à forma enxuta de seus versos – lírica seca e meditativa, onde o ritmo interior persiste nos poemas curtos. Em 1935 organizou a “Antologia dos Poetas Modernos”, primeira antologia de poetas dessa fase. Seu primeiro livro Poesias, publicado em 1948 recebeu o Prêmio Felipe d’Oliveira, como o melhor livro de poesias do ano. Foi também contemplado com o Prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras em 1988. Foi tradutor de Dante Alighieri, Baudelaire e Mallarmé.
Principais obras: Poesias (1948); Três contos do inferno – tradução de Dante Alighieri (1953); Poesia e Prosa (1979).


Terra de ninguém

A sala recende
A terra molhada,
A caule úmido e raiz apodrecida.

As flores sobre o cadáver
Contraem pétalas enregeladas.
A figura de cera no caixão bordado
Sorri como um cego sorri
Com ar de náusea.

Os convidados expandem uma tristeza festiva.
O defunto recusa
Qualquer comunicação com a humanidade
Que lhe é de todo indiferente agora.
(Ele que morreu "pela Causa" e recebe honras fúnebres.)

Em sua torre de marfim,
Sob o céu absoluto da paisagem devastada,
Reina, altivo. (Há coroas, há bendeiras na sala.)

Passante! descobre-te e não rias,
Respeita a morte e o fedor se sua glória.



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima