segunda-feira, 3 de abril de 2000


NARCISA AMÁLIA

(São João da Barra/RJ, 03/04/1856 - Rio de Janeiro/RJ, 24/06/1924)


Poetisa parnasiana possuía uma poesia vigorosa, forte e marcante, logo encantou a intelectualidade da época. Seu livro de estreia foi “Nebulosas”, com poemas românticos, bem ao gosta da época. Primeira mulher jornalista profissional do Brasil. Fundou o jornal Gazetinha de conteúdo feminista. Trazia em sua poética uma forte sensibilidade social, tratou com pioneirismo a identidade nacional. Sua poesia imprimia uma temática do retorno ao lugar de origem, uma poesia uterina. Combateu a opressão da mulher e o regime escravista. Trabalhou ainda no século XIX intensamente a favor da mulher.
Principais Obras: Nebulosas; Miragem; Romance da mulher que amou; A mulher do século XIX (1892).
  
Porque sou forte

Dirás que é falso. Não. É certo. Desço
Ao fundo d’alma toda vez que hesito...
Cada vez que uma lágrima ou que um grito
Trai-me a angústia - ao sentir que desfaleço...

E toda assombro, toda amor, confesso,
O limiar desse país bendito
Cruzo: - aguardam-me as festas do infinito!
O horror da vida, deslumbrada, esqueço!

É que há dentro vales, céus, alturas,
Que o olhar do mundo não macula, a terna
Lua, flores, queridas criaturas,

E soa em cada moita, em cada gruta,
A sinfonia da paixão eterna!...
- E eis-me de novo forte para a luta.



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima