domingo, 2 de abril de 2000


FARIA NEVES SOBRINHO

(Recife/PE, 02/04/1872 – Rio de Janeiro/RJ, 04/01/1927) 

Poeta, jornalista, professor, contista, romancista e político. Bacharelou-se na Faculdade de Direito do Recife. Foi fundador da Academia Pernambucana de Letras (1901) e imortal da Academia Brasileira de Letras. Poeta parnasiano, conhecido como “Lulu Sena”, que se transformou num ícone da poesia satírica do estado. Publicou um único romance “Morbus” (1898) de estética naturalista, muito elogiado pela crítica da época.
Principais Obras: Quimeras (1890); Estrophes (1911); Pôr do So l(1920); Sol Posto (1923); Crepúsculo (1924); Poesias (1925).



O Pântano

Ouve e guarda contigo
este conceito amigo:

Alma não há de crimes tão perdida,
nem coração tão torvo e escuso e escuro,
que se não abra, uma só vez na vida,
ao riso em flor de um sentimento puro.

Olha:o pântano é todo
feito de vasa e lodo.

No entanto, em noites claras, é de vê-las:
na água malsã que a vasa está cobrindo
chispam, tremeluzindo,
cintilações de estrelas... 



0 comentários:

Postar um comentário

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima