Espaço para publicação de poemas, textos e matérias



“O poema é um exercício de dissidência, uma profissão de incredulidade na omnipotência do visível, do estável, do apreendido. O poema é uma forma de apostasia. Não há poema verdadeiro que não torne o sujeito um foragido. O poema obriga a pernoitar na solidão dos bosques, em campos nevados, por orlas intactas. Que outra verdade existe no mundo para lá daquela que não pertence a este mundo? O poema não busca o inexprimível: não há piedoso que, na agitação da sua piedade, não o procure. O poema devolve o inexprimível. O poema não alcança aquela pureza que fascina o mundo. O poema abraça precisamente aquela impureza que o mundo repudia.” (José Tolentino Mendonça)


“Pretendo que a poesia tenha a virtude de, em meio ao sofrimento e ao desamparo, acender uma luz qualquer, uma luz que não nos é dada, que não desce dos céus, mas que nasce das mãos e do espírito dos homens. Pois a poesia é isso. É a verdade absoluta em cada um de nós.” (Ferreira Gullar)


“A intima relação entre o poeta e a sua poesia é a qualidade mais evidente de Manuel Bandeira e ao mesmo tempo uma das mais significativas. Enquanto outros, quase todos, constroem de fora para dentro o poema, objetivamente, como uma casa, Bandeira faz versos “como quem morre”, disse ele um dia, ao que contestou o Mário de Andrade “eu faço versos como quem vive”. De um modo ou de outro, o mais importante é a concepção da poesia como fenômeno vital, inexorável e irreprimível.” (Pedro Dantas) 


 "A história da arte poética está longe de formar um todo homogêneo e unânime.  Assim, acreditamos que a tarefa da poesia tem sido, através dos séculos, falar a verdade que habita em cada homem, em cada escritor, de uma forma atemporal que possibilite ao próprio homem se reconhecer em qualquer época. Ferreira Gullar nos diz : "Pretendo que a poesia  tenha a virtude de, em meio ao sofrimento e ao desamparo, acender uma luz qualquer, uma luz que não nos é dada, que não desce dos céus, mas que nasce das mãos e do espírito dos homens. A poesia está em toda parte, no que se sente, no que se ouve, no que se vê, não só no que se escreve... Ela aflora na música popular, nos textos de cronistas, no teatro, nos filmes, nas vidas. Manuel Bandeira falava dos poetas bissextos, aqueles que só aparecem de quatro em quatro anos, como o 29 de fevereiro... Bandeira editou, inclusive, a sua Antologia dos Poetas Bissextos, com mais de 100 poemas escritos por engenheiros, médicos, padres, empresários, advogados, pessoas que ninguém imaginava fossem poetas."  (Antonio Campos)

“Os poetas não são azuis nem nada, como pensam alguns supersticiosos, nem sujeitos a ataques súbitos de levitação. O de que eles mais gostam é estar em silêncio que subjugas a quaisquer escapes motorísticos ou declamatórios. Um silêncio... este impoluível silêncio em que escrevo e em que tu me lês." (Mário Quintana) 

“A poesia é das raras atividades humanas que, no tempo atual, tentam salvar uma certa espiritualidade. A poesia não é uma espécie de religião, mas não há poeta, crente ou descrente, que não escreva para a salvação da sua alma – quer essa alma se chame amor, liberdade, dignidade ou beleza.” (Sophia de Mello Breyner Andresen)


 "Todo grande poeta ama a sua língua natal e procura fazer dela a linguagem original da sua poesia. Ele é o guardião da beleza da língua que o ensinou a murmurar nos quartos escuros e decorar o que ia dizer à primeira namorada. Na mina de seu idioma, ele sabe encontrar a pepita mais brilhante, e sabe combinar estranhamente suas luzes no poema imortal. Mas, há também os poetas médios e pequeninos. Eles retiram o que podem daquela mina do idioma. A poesia é uma montanha que só faz crescer: os grandes poetas acrescentam-lhe um rochedo, os pequenos poetas nela depositam a sua pedrinha." (Alberto da Cunha Melo)

"A Poesia é a arte que coordena as ideias e as palavras de modo a expressar o pensar e o sentir de forma bela. Fala ao coração. É o belo em forma de Linguagem.  Mas a divisão da sociedade em classes, a violência gerada pela exploração da minoria opressora, violam também a arte em todas as suas formas. Em vez de terna, a poesia se torna dura, embora não deixe de ser bela. É que o poeta tem apenas duas mãos e o sentimento do mundo."  (Carlos Drummond de Andrade)

"O poeta começa onde o homem acaba. O destino deste é viver seu itinerário humano; a missão daquele é inventar o que não existe. Desta maneira se justifica o ofício poético. O poeta aumenta o mundo, acrescenta ao real, que já está aí por si mesmo, um irreal continente.” (Jose Ortega Y Gasset)


“Entendo que poesia é negócio de grande responsabilidade, e não considero honesto rotular-se de poeta quem apenas verseje por dor de cotovelo, falta de dinheiro ou momentânea tomada de contato com as forças líricas do mundo, sem se entregar aos trabalhos cotidianos e secretos da técnica, da leitura, da contemplação e mesmo da ação. Até os poetas se armam, e um poeta desarmado é, mesmo, um ser à mercê de inspirações fáceis, dócil às modas e compromissos.” (Carlos Drummond de Andrade)

"Em lugar da escrita instrumental, objetiva e bem comportada, o poeta coloca a criatividade em primeiro plano e, se for necessário, transgride as regras e as limitações ditadas pela gramática, as convenções, os preconceitos ideológicos e linguísticos, a opinião pública, a moralidade e os jogos de interesses. O poeta não segue uma pauta exterior, um esquema restrito como o que estudamos na linguagem instrumental e puramente comunicativa. Ele trabalha a palavra antenada com o mundo interior, a vida social e o cosmos, abrindo a sua sensibilidade para pensamentos, sensações, sentimentos, lembranças e visões.  A sua matéria prima são ideias, associações de palavras, imagens, ritmos, sonoridades, vibrações.  Com isto ele constrói o seu texto e o seu diferencial. Aí se resume a chamada liberdade poética."  (Marcelo Mário Melo)




***


“Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas” (Federico Garcia Lorca)

“Um grão de poesia é suficiente para perfumar um século inteiro.”
(José Martí)

“Poesia é voar fora da asa.” (Manoel de Barros)

“A poesia não se entrega a quem a define.” (Mário Quintana)

“Que ninguém doma um coração de poeta!” (Augusto dos Anjos)

“Busco poesia nas pequenas coisas” (Ferreira Gullar)
“O poeta transfigura a realidade tornando-a suportável à sensibilidade dos homens.” (Fátima Quintas)


“Que a poesia use de todos os meios de transporte para visitar os homens.” (Adélia Prado)


“Livros são os mais silenciosos e constantes amigos; os mais acessíveis e sábios conselheiros; e os mais pacientes professores.” (Charles W. Elliot)

“A escrita é o erotismo do intelecto. A poesia é o erotismo da alma.” (L. S. Dias)


“A questão não é se há uma luz no fim do túnel. A questão é você não entrar no túnel.” (Miró)


“Por que o homem cria? É porque ele não é capaz de carregar um ser humano dentro dele." (Antônio Torres)


“Pegue sua xícara e leia a vontade: Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente... e não a gente a ele.” (Mário Quintana)








  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima