domingo, 1 de dezembro de 2013


Poemas da Semana

Poemas de Mia Couto, Mário Quintana, Georgina Mercedes Navarrete Oliveira, Alberto Lins Caldas e Fernando Farias


Destino
Mia Couto*











à ternura pouca
me vou acostumando
enquanto me adio
servente de danos e enganos

vou perdendo morada
na súbita lentidão
de um destino
que me vai sendo escasso

conheço a minha morte
seu lugar esquivo
seu acontecer disperso

agora
que mais
me poderei vencer?

*Mia Couto, pseudónimo de António Emílio Leite Couto, é um biólogo, poeta e escritor moçambicano.



Os pássaros*
Mário Quintana












Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam voo
Como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par
de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhoso espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...

*Do livro “Esconderijos do tempo”. Porto Alegre: L&PM, 1980.



Todos olhavam para ela ou ela olhava para todos
Georgina Mercedes Navarrete Oliveira*













Aquela moça era tão alva,
Que se viam todas as veias,
De uma brancura celestial,
E de olhos azuis da cor do céu.

Será que era um anjo,
Que fugiu do céu?
Ou uma moça que não levava sol,
Por não sair muito de casa?

Só sei que todos olhavam para ela,
E ela olhava risonha para todos,
Sem saber se todos olhavam para ela,
Porque ela olhava para todos.

*Georgina Mercedes Navarrete Oliveira é professora aposentada e formada em Letras. Reside no Recife desde os seus 04 anos. Participou de vários concursos de poesia e é leitora assídua do Domingo com Poesia.



Alberto Lins Caldas










*

● são esses os caminhos das baratas tontas ●
● caminhos q se cruzam e se anulam ●
● nenhum deles pra lugar nenhum ●

● cada passo afunda e se perde ●
● atropelando todos os outros passos ●
● assim a noite e os dias deixam de apontar ●

● basta ver esses ombros estreitos demais ●
● essas mãos sem o toque dos dedos ●
● esse sexo perdido so em delirios ●

● nem os olhos q tão sempre vazios ●
● como se rodassem entre vento e vento ●
● procurando imagens num redemoinho ●

● essa enxurrada de coisas todas mortas ●
● q entopem as horas numa triste eternidade ●
● essas q se vão como partes do corpo ●

● são esses os caminhos das baratas tontas ●
● todas em fogo como se fosse mais ●
● muito mais do q baratas tontas ●

*



Poeminha lírico*
Fernando Farias











Amanheceu e a lua ainda no céu.
Gotas de orvalho
Nas pétalas róseas
Refletem os primeiros raios de sol.

No lago perene
Brinca um beija flor
Abanando as asinhas
Fazendo ondinhas
Na lamina de água

O beija flor,
Como um Narciso,
Vê sua imagem refletida
E brinca.
Suas cores cintilantes
Seus olhos e seu bico
Vendo os dentes das piranhas
Que saltam, agarram os pezinhos
Puxam o beija flor para o fundo
Escuro do lago.

Arrancam os olhos,
Mordem o cu do passarinho
Rasgam o papo do pobre animal,
Que sacode o que resta das asinhas
Sangra
Esperneia
E morre
Todo mordido
Todo Fodido
Nas águas do Capibaribe
Do Recife que fede
Cheio de merda.


*Poema de Fernando Farias, o áspero “Poeminha Lírico”. Este poema foi lido pelo também escritor Bruno Piffardinni, durante a Edição 2008 da FLIPORTO, em uma homenagem aos poetas pernambucanos, e, ao mesmo tempo, uma pesada crítica social e crítica ao lirismo alienado.



19 comentários:

  1. A poesia da Sra. Georgina Mercedes Navarrete Oliveira é linda, interessante a maneira como ela narra a história, gostaria de ver outras poesias dessa poetisa.

    ResponderExcluir
  2. Todos olham para ela ou ela olhava para todos é uma poesia fantástica, show de bola.

    ResponderExcluir
  3. Grande poetisa, essa Georgina Navarrete!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma grande edição do Domingo com Poesia. Parabéns a todos.

      Excluir
  4. Georgina Mercedes tem uma leveza nas palavras, que aclamar nossa alma.








    ResponderExcluir
  5. linda a poesia de Georgina Mercedes... *...*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, obrigado pelo seu comentário. Volte sempre.

      Excluir
    2. Belos poemas foram postados. Vale a pena conferir todos!

      Excluir
  6. Muito inspirador a poesia de Georgina Navarrete

    ResponderExcluir
  7. Poesia interessante, deveria ser dado mais oportunidades as poetisas e poetas desconhecidos pois muitos tem o seu valor e importancia e nessa pode surgir um grande talento da maturidade como a sra. Georgina navarrete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Renata, esta é a proposta do site.

      Excluir
    2. Renata, estamos sempre dando oportunidades para a literatura em geral. Primamos para que nosso espaço se torne num ambiente democrático, aberto para todos, basta que nos enviem seus trabalhos.
      Obrigado pela visita.

      Excluir
  8. Conheco o trabalho da poetisa, georgina mercedes, a historia de vida dela e linda. Parabens pelo domingo da poesia por ter encontrado ela para nos apreciarmos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Eline pelo apoio, volte sempre. Poste seus comentários sempre.

      Excluir
  9. Fred e natanael parabens, todas as poesias foram inspiradoras, cada um sob se expressar de alguma forma que mexesse com os leitores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, obrigado pelo apoio, volte sempre. Poste seus comentários, serve-nos para orientar nosso trabalho.
      Obrigado

      Excluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima