domingo, 8 de setembro de 2013


Poemas da Semana

Poemas de Natanael Lima Jr, Frederico Spencer, Antonio de campos, Juareiz Correya, Taciana Valença e Pablo Gallindo


Lembrança partida*
Natanael Lima Jr

Img: Reprodução


ah amigo!
essa saudade é que não passa
e os nossos sonhos irrevelados
em cada canto da casa
ainda pulsam de emoção

ah amigo!
essa dor é que não passa
e a madrugada posta sobre a mesa
embriagada partiu sem cor
solitária e sem amor

ah amigo!
a lembrança partida é o que restou,
a vida é desse jeito:
despreza e ampara
afaga e depois maltrata...

e continua o sonho pra sempre
na lembrança,
na saudade
e na dor


(*) Poema inspirado na canção “Asa Partida” de Raimundo Fagner.



 


Hoje
Frederico Spencer

Img: Reprodução


Hoje sou todo teu
para que juntes pedaços
e me acolhas desse frio
um leite quente, me sirvas
hoje, teu menino
em teu ventre estou
preciso, de cuidados:
que me adormeças
em navios piratas, viaje
com cigarras, cante
a baratinha da neve, salve.
Hoje não quero ser o lobo
venho para teus braços e
minha cabeça no teu colo, deito
e espero tua mão
em meus cabelos.
Cantigas de ninar cantes.
Hoje morto de cansaço
faço de ti o cais:
nas barras de tuas saias.
Nesta noite criança, sou
é preciso, que não durmas
hoje sou medo vazio
indomável solidão escura.



ARAPONGA SONG
(Where the Araponga Sings)

Canção do Exílio em Casa

Antonio de Campos


*


Minha terra tem palmeiras
where the araponga sings,
as aves que aqui gorjeiam,
como as de lá,
não gorjeiam nem flap the wings*

Nosso céu tem mais monitoramento,
nossa economia, também,
nossa indústria não é nossa,
só a dívida, como convém

Minha terra tem horrores,
que não encontro cá –
assalto, estupro & corrupção,
agora mais o canto da araponga
que só existe lá

Minha terra tem farsantes
que se fingem irritados
com qualquer espionagem,
sem mais delonga,
quando tudo lá é farsa e monitorado,
menos o canto d’araponga

Que eu morra, não permita Jeová
sem que volte pra lá,
apesar da viagem longa –
para a minha terra,
onde canta a araponga

*araponga, também conhecida no Nordeste como ferreiro, por seu canto estridente,
que lembra o de uma bigorna sendo malhada. Em fase de extinção, como tudo o mais no Brazil que o represente com dignidade. Em linguagem popular espião.

*flap their wings: não batem asas. No poema, o verso foi aportuguesado. Escrito na língua de nossos principais neocolonizadores como expressão de nossa total dependência econômica & cultural, agora dotada de tecnoarapongagem, pelo que, a rigor, o poema deveria ter sido todo escrito em inglês.

Poema em comemoração de mais um ano
(o de número 191, por enquanto) de nossa (In)dependência.

setembro 03, 2013





ESTADOS UNIDOS X BRASIL
Juareiz Correya

Img: Reprodução


O Brasil é amigo,
inimigo ou um problema
para os Estados Unidos ?,
quer saber o Presidente Obama.


O povo brasileiro
pode muito bem dizer :
Os Estados Unidos
são um amigo da nossa riqueza,
inimigo da nossa liberdade
e um problema (uma desordem)
para o nosso progresso nacional.

(Boa Vista, Recife,
 3 / setembro / 2013)




Delicadeza
Taciana Valença

Img: Reprodução


D'uma delicadeza triste
O olhar morreu
Ali, na noite
Sobre as canoas, d'um fogo
Q'ueardendo em lágrimas
Insuflou o mergulho
Profundo, águas frias
Fuga e busca d'uma efígie,
Inútil, apenas escuridão
E a vontade de ir mais fundo
Das profundezas fiz meu paço
Um sopro
Um olhar para superfície,
O vermelho do fogo
Num silêncio, sem canoas
A marca fincou a alma
Pulsa a efígie no peito
Num espraiar gélido e profundo
Em outro mundo...




A Cyl Gallindo
Pablo Bruijns Gallindo*

Img: Reprodução


me vi criança
me vi sozinho
sem respostas

não é a perca
mas o vazio
o eco de minha própria voz...

o eco de minha própria voz...
ressoa no vazio
de minha perda

sem respostas
me vejo só
como criança



Pablo Bruijns Gallindo é filho do poeta Cyl Gallindo e atualmente reside na Holanda.



3 comentários:

  1. Acompanho o trabalho da Poeta Taciana Valença já há muitos anos. Encanta-me o sabor das palavras, as cores dos versos, os aromas fabulosos desse lirismo que poucos Poetas conseguem exteriorizar! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Emmanuel sua visita e seu comentário. Concordo com vc sobre a produção poética de Taciana.

      Natanael Lima Jr
      Editor

      Excluir
  2. Emmanuel, bom dia

    Também concordo com você, acho que Taciana é hoje um dos grandes nomes da poesia feminina pernambucana. E temos o prazer de publicar seus poemas em nosso portal. Obrigado pela visita e o comentário.

    Frederico Spencer
    Editor de Texto.

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima