sábado, 10 de dezembro de 2011


Poesia e Música*

Os versos vão surgindo com a simplicidade que lhe é próprio, Renato Teixeira é um poeta popular e gente muito simples. Nasceu para a música e a poesia, escreve versos belos que retratam os sentimentos puros dos seres humanos, aqueles mais puros e verdadeiros...  Os que são comuns e tem na alma o amor pelos outros, o objetivo principal de viver.  Lendo Renato Teixeira vamos sendo levados para a plena tranqüilidade através dos poemas simplesmente belos...  Ler e escutar Renato Teixeira é somente viajar...  

*Pesquisa e texto: Ronildo Albertim



Renato Teixeira 


Amizade Sincera
Renato Teixeira
 
A amizade sincera é um santo remédio
É um abrigo seguro
É natural da amizade
O abraço, o aperto de mão, o sorriso
Por isso se for preciso
Conte comigo, amigo disponha
Lembre-se sempre que mesmo modesta
Minha casa será sempre sua
Amigo
Os verdadeiros amigos
Do peito, de fé
Os melhores amigos
Não trazem dentro da boca
Palavras fingidas ou falsas histórias
Sabem entender o silêncio
E manter a presença mesmo quando ausentes
Por isso mesmo apesar de tão raros
Não há nada melhor do que um grande amigo.
 
 
Irmãos da lua
Renato Teixeira
 
Somos todos irmãos da lua
Moramos na mesma rua
Bebemos no mesmo copo
A mesma bebida crua
O caminho já não é novo
Por ele é que passa o povo
Farinha do mesmo saco
Galinha do mesmo ovo
Mas nada é melhor, que a água
A terra é a mãe de todos
O ar é que toca o homem
E o homem maneja o fogo
E o homem possui a fala
E a fala edifica o canto
E o canto repousa a alma
Da alma depende a calma
E a calma é irmã do simples
E o simples resolve tudo
Mas tudo na vida às vezes
Consiste em não se ter nada.
 
 
Aprendendo a Viver
Renato Teixeira
 
O gesto que agradece o dado
O ato que engrandece o fato
A luz que guia o meu sapato
O passo
é um laço

As grandes pedras do caminho
A sensação de embaraço
A intimidade de um abraço
O pacto
O rapto

As coisas do mundo
Vão se traduzindo
E o tempo é o vento
que vai conduzindo
E a gente navega
nos mares da vida
aprendendo a viver
Um dia se ama
outro dia se chora
É triste demais
quando alguém vai embora
A alma do tempo
é uma luz que se acende
na escuridão

O tempo de plantar os sonhos
A hora mestra do momento
A voz do povo não pergunta
Apenas
comenta


O gestual da ousadia
O verso inverso da poesia
O lado oculto do silêncio
O lenço
A lágrima

Então o justo é ir embora
se assim quiser seu coração
Palavras abrirão caminhos
Por entre
os espinhos

Não tema o jeito do destino
Viver é só um fingimento
E tudo é só uma lembrança
Imagens
Momentos



Um comentário:

  1. Nos versos puros e simples! Renato Teixeira vem fazer mais lindo o nosso domingo!

    ResponderExcluir

  • a literatura em sua rede

    ano IV


Editores: Frederico Spencer, Natanael Lima Jr e Thiago Lima